Além de permitir pleno controle sobre o processo construtivo e decorativo, o pavimento intertravado tem um apelo fortíssimo no critério custo, uma vez que, permite manutenções em sistemas que estejam no subsolo, como tubulações de águas pluviais ou de esgoto, sem que seja danificado o pavimento, permitido a realocação do mesmo após a correção.

O que acontece na grande maioria dos outros processos de calçamento é a quebra do pavimento seguido da manutenção no sistema existente no subsolo e, após o término, segue-se a fabricação do novo pavimento. Tal processo é muito mais oneroso quando comparado com o pavimento intertravado de concreto. Sem contar com a quebra e geração do entulho, há também a necessidade da fabricação de um novo calçamento.

A questão decorativa e controle produtivo da obra está baseada na possibilidade de se fabricar modelos e cores de acordo com o projeto arquitetônico, o que dá grandes margens de atuação aos arquitetos e resulta em uma beleza impar para cada obra.